domingo, 11 de setembro de 2005

Em se tratando de um domingo, posso dizer que acordei muito cedo: 8h15min. O pior é que eu acordei atrasado; o jogo com o pessoal da escola estava marcado para começar às 8h30min. Na verdade, acho que eles quiseram marcar esse jogo com a intenção de ver como é que eu jogava, já que na ocasião do “Agita Galera!” eu não tive oportunidade de mostrar quão “perna-de-pau eu sou”... Imaginem só: um sol que estava quase me derretendo (cheguei em casa parecendo um pimentão!) e eu jogando no meio de rapazes de 17 a 19 anos! Quando o jogo estava terminando, eu fiz um golaço: driblei todo mundo e marquei o gol. Não quero nem ouvir os comentários na escola amanhã...No auge dos meus 29 anos, saí da academia (a Verde Vida, onde estávamos jogando futebol de quadra) para a Baixada, onde joguei um pouco de futebol de campo. Antes, passei em casa e comi alguns pedaços de melancia, para repor a água perdida no suor. E não é que jogando lá na Baixada, mesmo cansado, eu fiz um golaço? Para completar, ainda nadei uns 300 metros depois de jogar umas quatro partidas. Parece besteira, mas todas as extravagâncias deste domingo fizeram-me sentir um jovem de 15 anos. Putz, eu estava precisando disso para elevar minha auto-estima, que caiu a índices próximos de zero quando soube do meu querido bico-de-papagaio. Após o almoço, fui dar uma mãozinha para o meu pai engraxar o caminhão e regular as asas de trás. Fui à casa da Débora por volta das 16h e ficamos juntos até às 20h. Voltei para casa, onde estou neste momento lindo, escrevendo mensagens e cochilando ao mesmo tempo...
Mensagem do dia. O poder do afeto A falta de tato para resolver conflitos e tratar de assuntos com pessoas que têm idéias opostas, tem sido responsável por muitos desentendimentos e dissabores nos relacionamentos. Por vezes, um problema que poderia ser facilmente resolvido, cria sérios rompimentos por causa da falta de jeito dos antagonistas. O afeto, usado com sabedoria é uma ferramenta poderosa, mas pouco usada pela maioria dos indivíduos. O mais comum tem sido a violência, a agressividade, a intolerância. Existem pessoas que não gostam de mostrar sua intimidade e se escondem sob um véu de sisudez, com ares de poucos amigos, na tentativa de evitar aproximações que deixem expostas suas fragilidades. São como os caramujos, os tatus, as tartarugas e outros semelhantes. Ao se sentirem ameaçados, escondem-se em suas carapaças naturais, e não deixam à mostra nenhuma de suas partes vulneráveis. A propósito, você já tentou alguma vez retirar, à força, de seu esconderijo, um desses animaizinhos? Seria uma tentativa fracassada, a menos que você não se importe em dilacerar o corpo do seu oponente. No caso da tartaruga, por exemplo, quanto mais você tentar, com violência, retirá-la do casco, mais ela irá se encolher para sobreviver. Mas, se você a colocar num lugar aconchegante, caloroso, que inspire confiança, ela sairá naturalmente. Assim também acontece com os seres humanos. Se em vez da força se usar o afeto, o aconchego, a ternura, a pessoa naturalmente de desarma e se deixa envolver. Às vezes a pessoa chega prevenida contra tudo e contra todos e se desarma ao simples contato com um sorriso franco ou um abraço afetuoso. Mas, se ao invés disso encontra pessoas também predispostas à agressão, ao conflito, as coisas ficam ainda piores. Como a convivência com outros indivíduos é uma realidade da qual não podemos fugir, precisamos aprender a lidar uns com os outros com sabedoria e sem desgastes. A força nunca foi e nunca será a melhor alternativa, além de causar sérios prejuízos à vida de relação. Portanto, criar relacionamentos harmônicos é uma arte que precisa ser cultivada e levada a sério. Mas para isso é preciso que pelo menos uma das partes o queira e o faça. E se uma das partes quiser, por mais que a outra esteja revestida de uma proteção semelhante à de um porco-espinho, ninguém sairá ferido e o relacionamento terá êxito. Basta lembrar dessa regra bem simples, mas eficaz: em vez da força, o afeto. E tudo se resolve sem desgastes. De tudo o que fazemos na vida ficam apenas algumas lições: A certeza de que estamos todos em processo de aprendizagem... A convicção de que precisamos uns dos outros... A certeza de que não podemos deter o passo... A confiança no poder de renovação do ser humano. Portanto, devemos aproveitar as adversidades para cultivar virtudes. Fazer dos tropeços um passo de dança. Do medo um desafio. Dos opositores, amigos. E retirar, de todas as circunstâncias, lições para ser feliz.
Frase do dia: "Os maus homens vivem para comer e beber, porém os bons comem e bebem para viver."
Piada do dia. Clube de nudismo Um homem entra para um clube de nudismo muito exclusivo. No seu primeiro dia ele tira as roupas e vai dar uma volta pelo clube.Uma linda lourinha passa por ele, e o cara imediatamente tem uma ereção.A mulher percebe a ereção, aproxima-se, e dirigindo-se a ele diz:"Você chamou por mim?"O homem responde: "Como assim?"Ela diz: "Você deve ser novo no clube...deixe-me explicar; é uma regra, aqui, que se você tiver uma ereção, fica implícito que você estáchamando por mim!" Sorrindo, ela o leva para o lado da piscina, deita-se em uma toalha, puxa-o para si e deixa-o transar gostosamente com ela.O homem continua a explorar as dependências do clube.Ele entra na sauna e, ao sentar-se, peida. Em minutos aparece um cara forte, peludo, saindo da nuvem de vapor, dirige-se a ele e diz: "Você chamou por mim?Ele responde, surpreso: "Eu não, o que voce quer dizer?" "Você deve ser novo aqui," diz o cara peludo, "é uma regra do clube que se você peidar, fica implícito que você está chamando por mim..." O cara, fortão, facilmente vira ele de costas, curva-o para a frente e o enraba.O novato cambaleia para o escritório do clube, onde é recebido com um sorriso pela simpática atendente pelada: "Posso ajudá-lo, senhor?" O cara diz, puto da vida: "Aqui está minha carteira do clube. Pode ficar com ela. E pode ficar com os $500 da matrícula.""Mas, senhor," ela responde, "o senhor só esteve aqui por algumas horas. Ainda nem deu para o senhor conhecer todos os nossos atrativos... O homem responde: "Olhe aqui, mocinha, tenho 68 anos de idade. Tenho apenas uma ereção por mês, mas peido 15 vezes por dia.Tô fora!"

Nenhum comentário: