quinta-feira, 6 de outubro de 2005

Hoje acordei 8h – mais tarde que o normal. Fi-lo porque tinha consulta ao oftalmologista às 8h30min. Marquei o exame simplesmente para fazer uma revisão, já que a última foi em 2002. Para minha surpresa, houve uma diminuição em 0,25 na miopia. Ao que parece, a miopia estabilizou-se em 3,5 graus. Volto na próxima terça-feira para testar lentes de contato. Elas não irão substituir os óculos; eu as usarei apenas em momentos em que os óculos incomodam, como à noite e para jogar futebol. O grande problema de fazer esses exames é o colírio que eles colocam pra dilatar a pupila. Eu fico meio tonto e minha cabeça começa a doer por causa da luminosidade. Sendo assim, fiquei repousando (na verdade, dormindo...) até na hora do almoço. Após o almoço, fiquei organizando uns arquivos no computador e acabei não corrigindo as provas da faculdade que precisava. Também não pude nadar, pois estavam pintando o chão ao redor da piscina. Confesso que fiquei um pouco alterado com o seu Antônio (o funcionário do clube que me deu a ‘notícia’...). Coitado, ele não tinha culpa nenhuma! Amanhã vou me desculpar com ele pela minha reação. O fato é que eu explodi mesmo porque, novamente, o dia estava sendo pequeno demais e eu não tinha conseguido fazer o que eu tinha programado...Mas não é certo explodir em cima dos outros, né? E isso, acreditem, não é do meu feitio. Mais uma evidência de que eu estou “fora de controle”... Cheguei à noite na escola para dar aulas muito sério. Foi então que a Ivani pediu-me para ir com os alunos na escola Pedro Badran, uma escola técnica da rede Paula Souza. Acabei dando carona para cinco alunos e permanecemos juntos durante toda a visita. Encontrei por lá a Luciana, que foi minha professora de Biologia, a dona Vera Maito (que hoje está na direção da escola), o Alexandre Dezem (grande amigo, que é atualmente coordenador do curso de Química) e a Eliane Flora (filha do seu Renato Flora, um professor de matemática com quem tive aulas em 1993). A visita foi muito proveitosa, havia muita coisa interessante.Na volta, percebi que os alunos estavam com fome e estavam jogando ‘verde’ pra eu passar na pizzaria ou então em um bar. Fiz diferente: passei no posto e comprei uma Sprite 2L e um salgadinho da Elma Chips. Sentamos nas escadarias da prefeitura e permanecemos lá comendo e bebendo, rindo todo o tempo, por mais ou menos uns 15min. Como eu já mencionei aqui, eu me sinto realizado nesses momentos, pois eles me tratam muito bem. Que engraçado! Gosto mais de ser professor fora da sala que na sala de aula propriamente dita...
E assim foi mais um dia ‘emocionante’ da minha vida!
Mensagem do dia. Lição do perdão O que você faria se, de repente, por uma circunstância qualquer, você tivesse nas suas mãos a possibilidade de decidir a respeito do destino de uma pessoa que muito lhe prejudicou? Alguém que estendeu o manto da calúnia e destruiu o seu bom nome perante os amigos? Alguém que usurpou, com métodos desonestos, a sua empresa, fruto de seu labor de tantos anos? Alguém que tenha ferido brutalmente a um membro da sua família? Será que você lembraria da lição do perdão, ensinada por Jesus? Será que viriam à sua mente as palavras do Mestre Galileu: “bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia?” Recordaria a exortação a respeito de nos reconciliarmos ainda hoje com nosso adversário? A propósito, conta-se que um escravo tornou-se de grande valor para o seu senhor, por causa da sua honradez e bom comportamento. Desta forma, seu senhor o elevou a uma posição de importância, na qualidade de administrador de suas fazendas. Numa ocasião, o senhor desejou comprar mais vinte escravos e mandou que o novo administrador os escolhesse. Disse, contudo, que queria os mais fortes e os que trabalhassem melhor. O escravo foi ao mercado e começou a sua busca. Em certo momento, fixou a vista num velho escravo. Apontando-o para o seu senhor, disse-lhe que aquele devia ser um dos escolhidos. O fazendeiro ficou surpreendido com a escolha e não queria concordar. O negociante de escravos acabou por dizer que se o fazendeiro comprasse vinte homens, ele daria o velho de graça. Feita a compra, os escravos foram levados para as fazendas do seu novo senhor. O escravo administrador passou a tratar o velho com maior cuidado e atenção do que tratava qualquer um dos outros. Levou-o para sua casa. Dava-lhe da sua comida. Quando tinha frio, levava-o para o sol. Quando tinha calor, colocava-o debaixo das árvores de cacau, à sombra. Admirado com as atenções que o seu antigo escravo dispensava ao velho escravo, seu senhor lhe perguntou por que fazia isso. Decerto deveria ter algum motivo especial: é teu parente, talvez teu pai? A resposta foi negativa. É então teu irmão mais velho? Também não, respondeu o escravo. Então é teu tio ou outro parente. Não tenho parentesco algum com ele. Nem mesmo é meu amigo. Então, perguntou o fazendeiro, por que motivo tens tanto interesse por ele? Ele é meu inimigo, senhor. Vendeu-me a um negociante e foi assim que me tornei escravo. Mas eu aprendi nos ensinamentos de Jesus que devemos perdoar os nossos inimigos. Esta é a minha oportunidade de exercitar meu aprendizado. O perdão acalma e abençoa o seu doador. Maior é a felicidade de quem expressa o perdão. O perdoado é alguém em processo de recuperação. No entanto, aquele que lhe dispensa o esquecimento do mal, já alcançou as alturas do bem e da solidariedade. Quando se entenda que perdoar é conquistar enobrecimento, o homem se fará forte pelas concessões de amor e compreensão que seja capaz de distribuir.
Frase do dia.Nossa personalidade social é a idéia que os outros fazem de nós.” (Marcel Proust)
Piada do dia.
Um gay viajava de avião quando disse para seu namorado que seu maior desejo era transar com ele nas alturas. O namorado disse que não era possível, pois o avião estava lotado. Porém, o gay insiste dizendo que todo mundo estava dormindo,inclusive a tripulação, pois era aniversário do comandante e o champanhe tinha rolado direto e o avião estava até no piloto automático. Para provar que era verdade ele se levanta e pergunta: -Alguém aí tem um lenço? Silêncio total, nenhuma resposta. O namorado se convence, puxa o gay e mete bronca nele. Duas horas depois uma comissária resolve dar uma geral no avião e encontra um velhinho tremendo. - O senhor está doente? Está sentindo alguma coisa? - ela pergunta. _ E o velhinho: - Não minha filha, eu só estou com muito frio porque este ar condicionado está muito forte. - E porque o senhor não pediu um cobertor? - Porra minha filha, um cara ali pediu um lenço e comeram o cu dele! Imagina se eu pedisse um cobertor!

Nenhum comentário: