domingo, 5 de março de 2006

Dia de planejamento escolar - parte 3

O segundo problema é que, no primeiro semestre de 2005, eu não queria dar aulas no ensino médio. Em outras palavras, eu estava em um lugar que eu não queria estar! Eu queria mesmo era estar em uma universidade pública, pra poder ensinar o que eu aprendi na pós-graduação. Mas aos poucos foi acontecendo algo que eu não previa. Eu fui criando um vínculo de amizade muito forte com os alunos. Foi inevitável! Fui aprendendo que há coisas mais importantes para se ensinar (e para se aprender!) que tudo aquilo que tinha aprendido nos últimos seis anos. Algo pouco acadêmico e muito mais humano. Algo que estava fazendo com que eu me sentisse uma pessoa melhor...
Confesso que um dos momentos em que mais me senti querido foi quando entrei em uma das classes do ensino médio e fui ovacionado com palmas. E justo por aquela classe, que a maioria dos professores classificava em 2005 como sendo "a mais terrível da manhã"... Foi uma doce surpresa!
Este ano está sendo diferente. Eu estou adorando dar aulas no ensino médio! Consegui o respeito e a amizade dos alunos, o que para mim tem sido muito mais importante do que o meu diploma de doutorado, que repousa dentro da pasta de artigos científicos que publiquei. Já não ensino o que eu gostaria de ensinar, e sim o que eles têm interesse em aprender. Estou tentando contextualizar as aulas e o resultado está sendo maravilhoso! Estou conseguindo fazer com que eles percebam que a Química é uma disciplina interessante e que está ligada ao mundo deles! Eu até criei um blog (www.pintandoumaquimica.blogspot.com) para mostrar a eles como a Química é interessante. Tenho tentado fazer o mesmo na faculdade. Hoje percebo que é errado tentar se impor pela força e pelo autoritarismo, como alguns professores me aconselharam a fazer no início. Digo hoje, com o maior orgulhoso, que estou me realizando como professor. Mais do que isso, começo a rever os meus planos para o futuro. Seria eu tão feliz como agora se fosse professor de uma universidade pública?"

Nenhum comentário: