domingo, 29 de outubro de 2006

O esforço valeu a pena

Domingo, 29 de outubro de 2006. São 8h36min. Estou sozinho aqui em casa, pensativo. Certo, tenho que admitir que não gosto das situações em que a mamãe e o papai não estão em casa. No entanto, ao contrário do que ocorreu no último feriado (dia 12/10), desta vez eu não me sinto verdadeiramente sozinho. Há um sentimento de preenchimento completo e de uma felicidade plena. Em outras épocas de minha vida, certamente eu não estaria me sentindo assim, pois o papai está lá no hospital, internado com cólicas ocasionadas por três pedras no rim esquerdo (graças a Deus não é o mesmo rim em que ele sofreu a cirurgia para a remoção do câncer...). Estou em paz, tranqüilo. Sei que ele está bem e que a volta dele para casa é só uma questão de tempo. Não, isso está longe de tirar minha felicidade... Em momentos raros como este, eu começo a olhar para a semana que passou. Foi uma semana muito atípica. Faltei às aulas do colégio na terça-feira de manhã e na quinta-feira à noite para poder terminar a palestra, que seria apresentada na sexta-feira. Não havia como ser de outro jeito, eu tinha que fazer o possível para me preparar para aquela palestra. Afinal, em situações como esta o nosso “nome” profissional fica em xeque. É preciso defender com unhas e dentes as oportunidades que nos são dadas e eu, obviamente, não queria fazer feio. No entanto, em plena sexta-feira, às 2h da matina, eu não só não me sentia preparado como também não havia deixado a apresentação do jeito que eu gostaria... Acordei, então, às 6h. Eu deveria me sentir um trapo mas, por incrível que pareça, eu não me sentia cansado. Sentia-me motivado, renovado!Talvez o meu estado de humor estivesse tão elevado que sequer tive tempo para pensar no cansaço. Segui então para Ribeirão Preto, ouvindo músicas no mp3 para espantar o sono que, pela primeira vez, sequer apareceu. Quando o professor foi apresentar-me para os alunos, percebi que ele sabia a minha carreira acadêmica completa. Achei engraçado, pois eu não havia fornecido nenhuma informação a ele. Percebi então que ele estava com uma versão impressa do meu Curriculum Lattes em mão. Tive que conter um tímido sorriso, pois notei naquele momento que tudo o que a gente coloca na internet é de acesso público, assim como é este blog... A platéia era pequena, aproximadamente umas 15 pessoas, todos pós-graduandos. A formação dos mesmos era bem heterogênea, abragendo desde biólogos a fisioterapeutas. Tentei ser o mais didático possível e, no final, parece que acabei “convencendo”. Afinal, mesmo em uma sala completamente escura, ninguém dormiu enquanto eu falava. Ou eu consegui realmente prestar a atenção ou aquele pessoal é muito educado... Terminada a palestra, segui para a USP. Reencontrei lá bons e velhos amigos da época de pós-graduação, tanto no laboratório como na moradia estudantil. O que me chamou a atenção foi a forma como eu os tratei. Eu literalmente via um irmão em cada um deles, como se eu fosse capaz de enxergar em cada um a “centelha divina” de que o meu amigo Serjão tanto fala. Neste momento eu só tenho a agradecer a Deus por tudo o que tenho vivido nos últimos dias. Parece que, após tanto tempo me sentindo sozinho e abatido, eu encontrei o caminho certo. Deus, que eu havia deixado de procurar, agora está em todas as coisas que olho. Isso, sim, é a felicidade verdadeira e plena!

2 comentários:

cristine disse...

Olá Antônio!

É sempre bom passar por aqui e ver que as coisas estão dando certo, que todo o seu esforço é recompensado.

Sinceramente espero que momentos de felicidade como este se repitam muitas e muitas vezes, pois após acompanhar um pouquinho sua vida, sei que vc merece todas as coisas boas que tem e aquelas que ainda virão.

Um beijo grande, ótimo fds.

Cris.

Antonio E. M. Crotti disse...

Oi Cirstine, tudo bem!
Graças a Deus as coisas vão melhorando aos poucos. É preciso ter bastante perseverança e, principalmente, paciência. Essa última era a que estava me faltando ultimamente, mas agora está tudo em paz novamente!
Muito obrigado pelas suas visitas a este espaço e, principalmente, pelos seus comentários sempre tão gentis, educados e inteligentes.
Um grande abraço e uma ótima semana pra você!
Antônio