sexta-feira, 24 de novembro de 2006

Perto do paraíso (?)

Sexta-feira, 25 de novembro de 2006. Hoje, e desde sexta-feira passada estou com uma dor terrível na parte inferior das costas e da coxa. Fui ao médico na segunda-feira e ele disse que o nervo ciático está inflamado. Receitou cinco injeções e um antiinflamatório, que provavelmente elevarão o meu peso corpóreo. Além disso, estou proibido de nadar e de praticar qualquer outro esporte até que esteja totalmente livre da dor. Infelizmente não tive como cumprir o repouso absoluto, com as pernas para cima, que ele receitou. Receio complicar minha situação lá na faculdade, onde tudo é sempre um enorme ponto de interrogação. A tensão por lá é tamanha que até as professoras de lá temem engravidar. Em resumo: estou caminhando com a perna arrastando. Quem olha de longe provavelmente deve querer rir, uma vez que caminho com as pernas abertas. É uma situação realmente constrangedora... No entanto, começo nestas palavras de agora a decepcionar aqueles que acham que estou triste ou me sentindo vítima da vida. Sinto-me, sim, completamente feliz, ao ponto de sorrir enquanto me encontro em repouso, com as costas no chão e as pernas sobre a cama, sentindo dor. Pra falar a verdade, é como se a dor física não tivesse abalado o meu espírito. Jamais pensei que fosse dizer isso, mas meu espírito neste instante parece ser mais forte que o meu corpo. Sinto-me preenchido por uma felicidade ímpar que há tempos não experimentava. A proximidade de Deus parece ter voltado e eu O sinto aqui comigo o tempo todo. Sei que tem que ser assim. Sei que esta dor é para que eu me torne uma pessoa melhor, de alguma forma que eu não consigo enxergar agora. As palavras do Serjão, o "anjo gigante", nunca me pareceram tão frescas. "Tudo é justo do jeito que é, porque é assim que o Pai quer que seja. Ele sempre quer que a gente evolua. A gente sofre porque se recusa a aceitar a vontade dele." E em meio às minhas dores e aos meus sorrisos, tenho notícias ótimas no campo profissional - que, aliás, andava meio devagar: dois artigos e um capítulo de livro foram aceitos para publicação. Aquele ânimo, que vinha me faltando desde meados deste ano, parece ter voltado. Lanço um olhar de "Chuck Norris" para a tela deste computador, com os lábios desenhando um sorrio maldoso... "Estes próximos dois meses vão ser curtos demais para nós dois."
Em outras palavras: há tempos eu não me sentia tão perto do paraíso como me sinto agora... Obrigado, Senhor!

2 comentários:

Vahnzz Sam disse...

Mto bom seus textos^^

hehe

flws

cristine disse...

E aí Antonio!!
Tudo mais tranqüilo? Exceto os problemas físicos, é claro...

Ainda estou curiosa, mas fiquei muito feliz com o seu estado de espírito... engraçado que me sinto do mesmo jeito que vc descreveu nessa crônica.

O meu ano escolar já acabou... e pra vc?

Beijos e até a próxima =)
Cris.