terça-feira, 5 de dezembro de 2006

O verdadeiro papel do professor

Na adolescência, quando me dispus a ser professor, eu enxergava na profissão um remédio para a minha timidez. Na condição de professor, eu me imaginava como sendo o centro das atenções. Talvez a profissão despertasse em mim tanta admiração por apresentar-me uma possibilidade de poder falar e ser ouvido por todos. Além disso, eu imaginava que convivendo em meio a pessoas bem mais jovens e cheias de vida que eu, jamais envelheceria. Hoje, com quase quatro anos de magistério, incluindo universidade e ensino médio, vejo que a minha concepção estava totalmente equivocada. O professor é um mero coadjuvante, a começar pelo processo ensino-aprendizagem, onde sua função é apenas facilitar o aprendizado. Mais do que ser ouvido por todos, o que acontece em situações muito raras, o professor deve ser mais ouvinte, mais expectador. Embora as últimas semanas de aula sejam um imenso tédio, nelas é possível experimentar uma proximidade maior dos alunos e de suas vidas pessoais. No ensino médio, ao perguntar para uma aluna o porquê dela ter esquecido o caderno em casa, ela disse prontamente, com um sorriso no rosto: “Meu pai botou eu e minha mãe pra fora de casa. Ele bate nela há 17 anos e ela não faz nada...” Enquanto falava, as lágrimas foram brotando dos olhos daquela jovem de 16 anos. Já na faculdade, uma aluna assinou o registro de entregas de provas dizendo que não tinha nome. Como eu não havia entendido ao que ela estava se referindo, ela responde, dizendo: “Eu tinha duas fábricas de calçados. Quebrei. Agora estou devendo R$1.200.000,00...Aos poucos estou enxergando que eu estava totalmente equivocado, o que não quer dizer que eu seja necessariamente uma pessoa infeliz. Vejo hoje que a profissão de professor requer muita atenção e paciência, e que a figura do professor é muito mais importante na vida do aluno do que eu pensava. Ao invés de ver uma oportunidade para aparecer, sinto na profissão de professor uma oportunidade para tornar-me uma pessoa melhor e, de alguma forma, retribuir às bênçãos que Deus vem me proporcionando...

Nenhum comentário: