terça-feira, 8 de maio de 2007

O professor e seu mestre

20h15min. Estou no meio de uma aula na universidade. Na sala há cerca de 40 alunos, assistindo a uma aula de Química Orgânica II. O tema da aula é aromaticidade de compostos orgânicos. Eu sou o professor. Os alunos estão rindo do nome de alguns compostos aromáticos cuja estrutura acabo de desenhar no quadro negro. Furano, benzeno, cumeno, tiofeno. Obviamente escolho os mais engraçados, pois as risadas destes alunos são para mim os momentos mais importantes da aula. A maioria deles trabalha duramente durante o dia e vem à universidade em busca de um diploma para alvejarem um novo degrau em suas vidas. Todos têm pouco tempo para estudar, portanto a aula precisa ser bem aproveitada. Eis que a porta da sala se abre. Por trás da porta aparece a Eveline, uma aluna do 4o ano de Química Industrial. Um dos alunos do fundo da sala imediatamente assobia quando a avista. A turma fica agitada. “Miller, por favor, você tem um minutinho?”. Os alunos começam a rir. “Eeeeeeeeeeeeeeeeee, Miller!” Quando vejo que ela está acompanhada pelo Diogo, também aluno do quarto ano, olho para a turma e faço propositadamente uma cara de “convencido”, ajeito o colarinho da camisa e sigo em direção à porta, sob o delírio e risada dos demais alunos. Quando encosto a porta, a Eveline começa a falar. “Miller, a gente tem uma boa notícia pra te dar.” Ela então é interrompida pelo Diogo. “Nós fizemos uma votação entre os alunos da nossa turma pra ver quem eles gostariam que fosse o nosso paraninfo na formatura, e você foi eleito por unanimidade!”, diz ele, transparecendo muita felicidade. A Eveline começa a rir. “Miller, foi muito engraçado! Até aqueles caras grandões lá do fundo da sala... Precisavam ver eles gritando o seu nome!” Sem ter muitas palavras a dizer, mas com um enorme sorriso no rosto, eu aperto a mão de ambos e os agradeço, expondo-lhes minha gratidão pelo reconhecimento. 22h35min. Estou próximo ao relógio de ponto. Ao adentrar a sala e me avistar, o Toni vem me abraçando, com um enorme sorriso no rosto. “Parabéns, Miller! Você não faz idéia de como fiquei feliz! Eu apostava em você! Este ano você é quem vai ter que preparar o discurso! Hahaha” Abraçado ao Toni, eu agradeço imensamente o carinho que ele tem tido por mim desde que ingressei na universidade. Digo-lhe que ele (que todos os anos é homenageado) sempre foi uma inspiração para mim no que diz respeito à forma humana e respeitosa como lida com os alunos, e que eu sigo o exemplo dele. “Professores têm que ser exemplos, Toni. E você foi um exemplo para mim. Obrigado!” Ele então coloca a mão direita sobre o meu ombro e diz: “Sabe, Miller, demonstrações de carinho que os alunos têm para conosco são impagáveis.”
Ao lado de um grande professor sempre há um grande mestre.

Nenhum comentário: