segunda-feira, 17 de agosto de 2009

A questão do dízimo

Costumam dizer que futebol, religião e política são temas que não devem ser discutidos, principalmente com amigos, pois caso as opiniões difiram, a amizade pode ser seriamente prejudicada. Opiniões sobre estes temas devem simplesmente ser respeitadas. E ponto. Mesmo assim, decidi expor aqui a minha opinião sobre igrejas, religião, crenças e tudo o que estiver relacionado. Acho que neste caso não vou causar muita polêmica (pelo menos não com muitas pessoas...), pois há tempos poucos são os que lêem esse blog.

Fui batizado na igreja católica, e lá fui crismado e me casei, mas já na época de meu casamento fazia um bom tempo que eu havia deixado de frequenta-la. O motivo é simples: cansei de ouvir o padre dando sermões para que nós comprássemos (e vendêssemos) rifas para a reforma do salão paroquial. Também não pago dízimo. Jamais paguei e espero que nunca "precise" pagar. O dinheiro que ganho é suado e muito valioso pra passar para as mãos de pessoas que não dão garantias de que ele será empregado para o bem de um grande número de pessoas. Os que discordam disso têm sempre a mesma justificativa: “O dízimo está na bíblia”. E, de fato, está mesmo. A questão é que a bíblia nada mais é que uma reunião de alguns textos, inspirados por Deus (ou não?) que foram selecionados dentre vários outros por alguma razão. Dizem que foi um rei pagão que solicitou a confecção da bíblia para redimir-se de seus pecados. Então por que acreditar que tudo o que lá está escrito é realmente vontade de Deus? Será que aqueles textos que lá estão não foram escolhidos a dedo dentre tantos outros pra refletir a vontade de um homem, escondendo-se atrás do nome de Deus? Afinal, para mim é muito estranho acreditar que Deus é o Papai Noel raivoso e mau-humorado, disposto a nos punir caso não sigamos sua vontade, que lá está descrito. Também parece contráditório o fato de Deus ter oferecido o livre arbítrio e, mesmo assim, punir-nos por algo errado. Se o errado é contra a vontade de Deus, então não temos livre arbítrio, certo?

O fato de ter deixado de freqüentar a igreja incomoda muito meus pais e meus avós. - e , às vezes, até a mim. Dizem que não acredito mais em Deus. De fato, não acredito mais no Deus que a igreja prega. A verdade é que esta situação gerou em mim sentimentos de culpa e inquietude enorme,s o que acabou me motivando a procurar bibliografias complementares para saber um pouco mais se eu realmente preciso ir à igreja para encontrar-me com Deus.

No livro “Operação Cavalo de Tróia”, há um trecho interessante que diz que não há intermediários entre Deus e o homem. Em outras palavras, não é preciso ir à igreja; basta procurar em seu coração. Diz ainda que mais vale procurar Deus em si mesmo que freqüentar cultos religiosos repetitivos, onde Deus é louvado de forma quase mecânica. Isso significa que se você que realmente encontrar-se com Deus, a igreja é praticamente desnecessária, uma vez que é uma instituição criada por homens. Por outro lado, a igreja é indispensável para aqueles que são pessoas más, desumanas, desonestas e inescrupulosas, pois lá elas se sentem “santas”, limpas de seus pecados. Após o perdão e a eucaristia, estão prontas para começar tudo errado de novo. Que hipocrisia! Qual é o sentido disso tudo? Será que Deus fica apenas na igreja? Ou será que O trazemos conosco o tempo todo?

Como disse, religião é uma questão delicada. Tenho o meu ponto de vista, e independente de estar certo ou não, ou mesmo de não ser um exemplo a ser seguido, nos últimos 10 anos tenho tido a concepção de Deus-comigo. Não sou contra ninguém freqüentar igrejas e esvaziar suas carteiras na esperança de estarem encontrando salvação ou de estarem fazendo um “acordo” com Deus para obterem sucesso. Eu simplesmente me recuso a ser manipulado desta forma. Daqui a alguns dias as igrejas vão usar máquinas de cartões de crédito na hora de coletar o dízimo. Certamente isso facilitará que os fiéis parcelem sua salvação, como se fazia na Idade Média. A tecnologia avançou muito desde lá, mas a ignorância parece ainda existir. Que Deuss perdoe aqueles que não entenderam até hoje qual é Sua verdadeira vontade.

Um comentário:

Anônimo disse...

Querido, procure se informar melhor e terá suas dúvidas esclarecidas.
Jesus disse: "errais não conhecendo as escrituras e nem o poder de Deus". Mt 22:29
Deus abençoe muitíssimo!