quarta-feira, 27 de junho de 2012

Viva!


Há um ditado que diz: “Quem quase morreu, ainda vive. Mas quem quase viveu já está morto”. Este enunciado, embora curto, traduz a essência da vida: “Carpe diem”. Não, você não deve aproveitar o seu dia cometendo atos irresponsáveis, bebendo além da conta ou tratando as pessoas que o cerca de forma inadequada. Você deve, sim, aproveitar cada momento. Para isso, elimine os pensamentos ruins. Esqueça as  contas a pagar. Elimine os projetos que você não conseguiu realizar. Não permita que eles o deixem frustrado. Deixe de olhar as coisas que você gostaria de ter ou a vida que gostaria de ter. Não pense. Apenas sinta. Faça algo mais desafiador que pular de para-quedas: fuja de sua rotina frenética e pare à beira de um lago. Veja o pôr do sol. Sinta a brisa fresca da noite. Feche os olhos. Apenas ouça.

Quando encontrar alguém que quer falar com você, ouça. Procure mais ouvir do que falar. Algumas dessas pessoas querem apenas a sua atenção. Para elas nada pode ser mais valioso. Seja paciente. Abrace as pessoas que você gosta: pai, mãe, avós, irmãos ou amigos. Sinta o abraço. Você verá quão mágico isso pode ser.

Em situações em que se sentir nervoso, não diga nada. As palavras podem ser mais dolorosas que um ato e, por isso, podem ser imperdoáveis. Pense, por um momento, se você gostaria de ouvir o que está prestes a dizer a alguém. Seja piedoso; perdoe. Cuide para que a mágoa não tome conta de você. Faça uma faxina na sua alma. Deixe nela apenas as coisas boas, as boas lembranças.

Por outro lado, se tiver algo de bom a dizer a alguém, diga. As pessoas que merecerem vão adorar ouvir o que você tiver de bom a dizer sobre elas. Agradeça. Muitas vezes o reconhecimento e o agradecimento valem mais que milhões em notas. Além disso, caro leitor, a vida passa rápido. Por isso, diga tudo o que de bom tiver pra dizer. Amanhã pode ser tarde demais. Não confie no futuro e não deposite suas esperanças nele. Ele pode não vir. Ou então pode deixa-lo desapontado. Por tudo isso, viva agora! O que você está esperando?

Um comentário:

Tais Luso disse...

Ótimo seu texto. Gostei muito da 'faxina na alma...' É preciso. Muitas coisas podem e devem ir para o lixo. Por que podemos fazer faxina em tudo, menos em coisas que não nos valem mais?

Ótimo texto.
Abraços
Tais