sexta-feira, 27 de julho de 2012

Cada um tem o E.T. que merece


Domingo, 22 de julho. Estamos na via Anhanguera, em direção à São Joaquim da Barra. Estávamos agora há pouco no cinema assistindo ao filme “Era do Gelo 4”. Débora está ao meu lado e a Clarinha está no bando traseiro. Estamos mais ou menos na metade do percurso. No rádio está tocando a música “Back in time”, tema do filme Men in Black III. Clarinha está quieta, olhando para as plantações de cana que vão ficando para trás a cada quilômetro. Débora está olhando para alguma estrela. Só eu é que pareço estar aproveitando a viagem. De repente, após um período fixando o olhar em algum ponto do céu, ela rompe o silêncio. “É impressão minha ou há duas luzes que estão se mexendo ali no céu?”. “Claro, aquilo ali são dois discos voadores”, penso, sem no entanto dizer nada. Então olho para o ponto do céu a que ela se referiu. Subitamente um frio percorre minha coluna. Lá estão duas luzes ovaladas, que parecem realmente se mover. Às vezes se encontram, às vezes se afastam uma da outra.  Eu fico em silêncio. “E então, o que você acha que é?” Eu fico quieto. Faço apenas uma cara de desprezo, como se não fosse nada. Na verdade, eu não sei o que é. “Dinho, eu não sei o que é, mas disco voador eu sei que não é, porque E.T. não existe”, diz a Clarinha. “É verdade, filha. Você tem razão”, respondo, já sem ter tanta certeza.
De repente, tenho a impressão e que aquelas luzes estão nos seguindo. Piso no acelerador, na tentativa de deixar as malditas luzes para trás. Em vão. Às vezes, quando essas luzes se encontram, tenho a impressão e que estão se afastando, mas uma delas não demora a ir no sentido que estamos trafegando. A situação começa a me incomodar e um turbilhão de pensamentos ruins toma conta de minhas mente. E o Miguel? E se forem E.T.s, e les quiserem nos abduzir? Ninguém vai ficar sabendo! Meu Deus, e se for o fim do mundo? E se esses forem apenas dois? E se for apenas o começo de uma invasão alienígena? Será que vão nos matar? Meu Deus, será que o Mulder tinha razão em acreditar em uma conspiração alienígena na série Arquivo X?
Quilômetros de estrada vão ficando para trás. Eu piso fundo no acelerador pra assegurar que nosso carro não fique isolado dos demais. A situação segue tensa. O carro segue pela estrada e as luzes parecem persegui-lo. Quando passamos pelo posto da polícia rodoviária, decido parar o carro. Desço o vidro e avisto as duas luzes de longe. Percebo que os dois sinais luminosos estão conectados a um mesmo ponto do solo. São, na verdade, duas projeções de luz, feitas por dois canhões luminosos que estão no solo. Eu balanço a cabeça. “O que é que é aquilo, Dinho?”, pergunta a Clara. “Um E.T.”. Ela se assusta. “Um E.T.?”. “Sim, filha. Não era nada do que a gente pensava. Foi um Equívoco Total... “

Nenhum comentário: