sábado, 23 de março de 2013

O concurso - parte 2


Terça-feira, 19 de fevereiro. 3h da manhã. Estou exausto. Venho brigando com o sono há uns 20min. Não consigo mais manter os olhos abertos. Além de pesados, eles ardem. Não sei o que fazer, pois ainda não terminei de preparar o resumo sobre reações radicalares. Todos os outros estão prontos, mas eu lamento não ter me tocado para este. Foram praticamente seis meses de estudo... Como não fui me lembrar deste? De qualquer forma, agora não adianta lamentar o leite derramado. Além disso, há apenas 10% deste tópico ser escolhido. Por isso, considerando que para estar no local da prova no horário marcado eu precisarei acordar às 5h30min, pelo menos, vou desistir e ir para a cama. Preciso de pelo menos duas horas de sono pra manter-me de pé.
8h50min. Estamos na sala onde a prova teórica será realizada. Estamos todos tensos. Afinal, esta prova é eliminatória. Quem não conseguir nota 7,0 de pelo menos três membros da banca está eliminado das próximas fases do concurso. O presidente da banca irá sortear o conteúdo e pede pra alguém venha conferir se as dez pedrinhas estão corretas. Na tentativa de ser cavaleiro e poupar as demais candidatas de se levantarem, sigo em direção ao presidente e confiro rapidamente que todas as dez pedras estão lá. Quando vou me virando, o presidente pede pra que eu enfie a mão no saquinho e escolha uma pedra. Eu olho para as candidatas, tenso. “Gente, não me deixem fazer isso... Eu tenho azar nessas horas...” Todas riem. Eu enfio a mão e trago de volta o número 9. O presidente confere a lista para ver a qual tópico este número se refere. “Reações radicalares”. Eu fico inconformado. As demais candidatas também...
9h20min. Estou tentando anotar algumas informações do resumo que preparei, mas até isso é difícil. O assunto não me é muito familiar, então não me sinto muito seguro. Mas o tempo está passando, eu tenho apenas mais 30min pra poder anotar alguma coisa pra usar nas próximas 4 h de prova. Decido então passar o olho e selecionar algumas coisas importantes. É um momento de muita tensão.
13h50min. Sou o último candidato a entregar a prova. Escrevi 20 folhas. Considerando o meu conhecimento sobre o tema, estou até satisfeito com o resultado da prova, porém não sei como foram os outros candidatos. Existe também a possibilidade de ninguém ter sido aprovado. Mas não adianta especular. O que está feito, está feito. Agora que seja o que Deus quiser.
(to be continued...)

domingo, 3 de março de 2013

À espera de um anjo


Meu anjo,
Essa é a única palavra que me vem à mente neste momento para referir-me a você. É curioso como a gente se conhece há tantas vidas mas eu, por enquanto, ainda sei tão pouco sobre você. Mas eu não tenho pressa. Na verdade, eu soube da sua existência há apenas 10 dias. Desde aquele instante eu passei a amar-te incondicionalmente. Pra ser sincero, eu ainda estou em êxtase diante de tamanha felicidade. Há tempos eu pedi a Deus pra que a gente se encontrasse, e isso vai acontecer muito em breve. E você pode ter certeza de que vamos  ser muito felizes. Se eu tivesse pedido incansavelmente a Deus por um milagre, é pouco provável que ele viesse em um momento tão especial e, por que não dizer, inesperado.
Neste momento, o que eu mais faço é rezar por você. Rezo por sua saúde e para que Deus derrame em você todas as bênçãos possíveis. Estou ansioso para o momento de nos encontrarmos e de nos conhecermos melhor. Eu espero que nós tenhamos uma vida juntos, e que nossa convivência seja repleta de harmonia, paz, alegrias, amor e cumplicidade. Eu sei que ainda levará um tempo pra que você leia e entenda essas palavras, mas quero muito que você o faça algum dia. É preciso e necessário para que você entenda o quanto você é especial para mim.
Estou tentando preparar-me para o nosso encontro. E quando isso acontecer, daqui a mais ou menos nove meses, estarei disposto a doar a melhor parte de mim a você, assim como fiz com seu irmão. Estou ansioso para sentir a felicidade que você vai adicionar ao nosso lar com a sua presença.
Nós te amamos, meu pequeno anjo, e desde já estamos te dedicando muito amor e carinho para que você seja uma das crianças mais doces do mundo.
Com amor,
Papai

O concurso - parte 1


Segunda-feira, 5h da manhã. Quando o despertador toca, jogo-me rapidamente da cama. Estou exausto, por isso não posso me dar ao luxo de apertar o botão “soneca” e dormir mais uns minutinhos. Hoje é um dia muito importante: o primeiro dia do tão aguardado concurso para uma vaga para ser docente da USP. Meu coração já está com o ritmo alterado. Tenho esperado tanto por este dia e me dedicado tanto... Nesta noite, por exemplo, foram apenas três horas de sono... Sigo então para o banheiro pra tomar um banho quente pra espantar o sono.
6h. Arrumo a bolsa, pego alguns livros e levo para o carro. Devo estar lá por volta das 8h, mas quero chegar mais cedo. Nunca se sabe o que pode acontecer durante uma viagem de carro. Imagine se, por uma ironia do destino, o carro quebra na estrada e eu não consigo chegar na hora? Sempre alguma coisa pode dar errado. Eu espero que não hoje.
7h. Chego à USP. Os estacionamentos estão vazios. Um dos funcionários, com um jato de ar, remove as folhas das árvores que se espalham pelo chão. Avisto uma funcionária, talvez da limpeza. Pergunto a ela se estou no lugar certo e ela diz que sim. Trocamos então algumas palavras, digo algumas coisas que a fazem rir e, em seguida, volto para o carro. Agora devo aguardar.
7h20min. Uma das candidatas estaciona o carro. Passa por mim, olha e segue em direção à cantina, que ainda está fechada. Em pouco tempo volta, aparentemente desapontada. Eu tenho a impressão de que a conheço. Desço e sigo em direção a seu carro. “Você não é a...?” Ela sorri. “Miller! Eu sabia que estava te conhecendo de algum lugar!” Ela abre a porta e me abraça. Está muito mais magra que quando a conheci – na verdade, sua circunferência está quase a metade de quando a conheci. Começamos então a falar sobre concursos e sobre o rumo que seguiram alguns colegas de pós-graduação.
7h40min. Uma outra candidata, também conhecida, se aproxima. A conversa segue bem, mas meu pobre coração está disparado. Foram feitas 11 inscrições. Um dos candidatos não virá, pois antes de sair a data deste concurso, ele prestou um outro e foi aprovado. Sabemos que ele não virá. Restam 10...
7h55min. Seguimos para a sala onde será realizado o concurso. Estamos em apenas cinco candidatos; eu sou o único homem. Todos nos conhecemos, fomos alunos na mesma época de pós-graduação. De repente, surge um moço de óculos e costeletas longas, leva a folha com nossas assinaturas e afirma que somos em apenas cinco. Se chegar alguém agora, não pode mais participar.
8h45min. Surge, enfim, a banca. Eles nos cumprimentam rapidamente e apresentam uma lista com os pontos que devemos estudar para amanhã de manhã. Entre eles está um que eu não havia estudado. Assinamos e vamos para casa. Amanhã é dia de retornar. Passarei o meu dia estudando esse maldito tópico... Como pude esquecer-me dele????
(to be continued...)