sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Lembranças da minha professora de Matemática

       Ela tinha uma cabeça à frente de seu tempo. Já no colégio tentava preparar-nos para os vestibulares e para a vida. Sua voz firme sempre nos fazia achar que estava brava conosco. Talvez por isso fosse a professora mais “temida” da escola Manoel Gouveia de Lima. Quando ia à lousa, a Matemática deixava de ser um monte de números e sinais sem sentido para tornar-se a coisa mais lógica e encantadora do mundo. Quando em 1990 ela escolheu-me para ser orador da turma da 8ª série, ten...do seus dois filhos e dois sobrinhos na mesma turma que eu, eu fiquei inconformado. Por que eu? Eu ficava sentado na última carteira e, apesar das boas notas, era o aluno mais tímido da turma! Mas ela não aceitou o meu “não”. Lembro perfeitamente de suas palavras de incentivo para convencer-me: “Se vira, será você e ponto final”. Na formatura, após o meu discurso (que, para minha surpresa, deixou todos emocionados), seus olhos rasos em lágrimas expuseram a ternura da mãe que havia por trás da “temida” professora, que sempre quis e exigiu o nosso melhor. “Fiz bem em escolher você, eu sabia que você ia dar conta!”, disse-me ela após um abraço apertado. Dona Ana Maria Perez, por inúmeras vezes tive o prazer de encontra-la e de agradecê-la pessoalmente por tudo o que a senhora fez por mim, assim como muitos outros devem ter feito, mas há algo que eu talvez ainda não devo ter dito: ter tido a senhora como professora de Matemática e a dona Maria Auxiliadora Corradini como professora de Língua Portuguesa da 5ª à 8ª série foram os maiores privilégios de toda a minha vida escolar. Se eu a conheço bem, ao ler isso a senhora vai dizer “Eu fiz o meu papel de professora. Fiz a minha obrigação”. Ainda assim, acho que a senhora fez muito mais que isso. Muito obrigado por ter sido a melhor professora de Matemática que eu tive! Que Deus abençoe a senhora e toda a sua família!
 

Nenhum comentário: