segunda-feira, 12 de junho de 2017

Dia dos namorados

Por mais paisagens, lugares e pessoas que eu tivesse visto ou estudado, foi há 22 anos, quando nossos olhares se cruzaram pelo retrovisor do carro, que enxerguei pela primeira vez. Era como se meus olhos estivessem fechados por longos 19 anos. Apesar dos vários jardins que eu visitei até então, seu perfume foi a primeira (e mais marcante) fragrância que conheci. Comigo ele permaneceu por vários dias. Bastava fechar os olhos e respirar fundo para poder senti-lo, como se viesse até mim do outro lado da cidade. Até algumas semanas depois, quando toquei sua pele pela primeira vez, pétalas de rosas eram o que de mais macio meus dedos acreditavam existir. Após encontros e pequenos desencontros, sua voz encantadora, em sussurro, consentiu com um mero (e tão esperado...) “claro” que o meu coração começasse a bater. A existência, até então amarga, tornou-se a mais doce das experiências desde que meus lábios tocaram os seus. E você, de quem eu já havia arrancado vários sorrisos, fez com que a vida, enfim, me sorrisse de volta. Obrigado pelos 22 anos de vida e felicidade, minha eterna namorada!


Nenhum comentário: